IPCA-15 de março é o menor desde 2000

2018-03-26T10:28:51+00:00 26/03/2018|Categories: O Estado de S. Paulo|Tags: , , |

Daniela Amorim

Maria Regina Silva

A prévia da inflação oficial de março mostrou que os preços continuam variando em patamares muito baixos. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) recuou de 0,38% em fevereiro para 0,10% em março, a menor taxa para o mês desde o ano 2000, segundo dados do IBGE.

A inflação acumulada em 12 meses também voltou a diminuir, para 2,80% em março, afastando-se do piso (de 3%) da meta perseguida pelo governo. Para alguns economistas, esse resultado poderia abrir caminho para um novo corte na taxa básica de juros, além do já esperado na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), nos dias 15 e 16 de maio.

“O corte esperado para maio seria o derradeiro. Mas esse IPCA dá uma dúvida se na próxima reunião terá o último corte na taxa Selic ou não. Nosso cenário é de mais um corte e para por aí. Mas essa dúvida existe”, disse o economista Fabio Romão, da LCA Consultores.

O economista Daniel Gomes da Silva, do Modal Asset Management, diz que um novo corte na reunião do Copom marcada para junho ainda não está no radar, mas não pode ser descartado.

“Até a reunião de maio já será um tempo relativamente grande. Precisamos avaliar como ficarão a inflação e a recuperação da atividade, que ainda segue meio duvidosa”, lembrou Gomes da Silva.

Em março, as famílias pagaram mais pelo plano de saúde (1,06%), que respondeu sozinho por 40% de toda a inflação do mês. Por outro lado, a conta de telefone fixo ficou mais barata (-0,94%), assim como os alimentos comprados nos supermercados (-0,29%).

Para o fechamento do índice do mês, a expectativa é de ligeiro avanço, mas mantendo o baixo patamar de variação, prevê a Tendências Consultoria Integrada.

Os consumidores devem observar maior pressão do grupo de alimentos.

“Adicionalmente, espera-se avanço para os preços de vestuário, em linha com a sazonalidade do período”, lembrou Marcio Milan, analista da Tendências.

A LCA estima que o IPCA de março suba a 0,15%, com o fim da deflação dos alimentos.

“Ainda é menos da metade do IPCA de fevereiro, que foi de 0,32%”, lembrou Romão, da LCA. Segundo ele, as altas de preços dos produtos agropecuários no atacado devem chegar ao varejo, mas a elevação das despesas do consumidor com alimentos já estava no cenário previsto para este ano, por conta da safra agrícola menor.

Em queda

0,15% é a estimativa da consultoria LCA para o IPCA fechado de março, o que seria menos da metade do índice registrado em fevereiro, de 0,32%